Como ter mais tempo – Ignorância Seletiva

Como ter mais tempo – Ignorância Seletiva. Já imaginou triplicar ou quadruplicar a quantidade de tempo livre que você tem todos os dias? Foi isso que consegui quando adotei as práticas que irei descrever neste texto. Você poderá usar esse tempo livre para desfrutar com sua família, para ler mais livros, estudar, praticar um hobby, cuidar da sua saúde ou até trabalhar mais.

Todos nós temos as mesmas 24 horas. As diferenças que existem entre as pessoas é o resultado daquilo que cada um faz com seu próprio tempo.

Ter mais tempo livre para ler, foi o que mais impactou minha vida positivamente nos últimos anos. Quando temos tempo livre para exercitar o hábito da leitura, iniciamos uma verdadeira revolução na nossa vida. Renasço sempre que termino de ler um livro. Aquele que começou a leitura não é mais o mesmo que a terminou.

Não faltam livros, vídeos, cursos e outras fontes de conhecimento produzidas por autores geniais que dedicaram suas vidas para isso. Nunca, na história da humanidade, o conhecimento foi tão acessível e barato como agora. Somos realmente sortudos.

O problema é que estamos envolvidos em tantas distrações que não temos tempo para fazer o que é importante. Não conseguimos desenvolver nossas virtudes e nem aprender novas habilidades e conhecimentos que possam resultar em mais qualidade de vida, mais sucesso profissional, financeiro e pessoal.

O mundo todo sofre de falta de tempo, excesso de informação e desânimo. Ninguém ainda entendeu bem para onde está indo nosso tempo e a nossa disposição.

Para onde vai o seu tempo?

Quanto vale sua atenção, seu tempo e a sua disposição? Tenho certeza que o valor do seu tempo é incalculável, mas então, por qual motivo você está entregando seu tempo de graça?

Talvez você ainda não tenha percebido que o seu tempo se transformou em uma mercadoria. Ligue a televisão e passe pelos inúmeros canais. Observe os milhões que as emissoras gastam todos os dias para produzir algum conteúdo que possa chamar sua atenção. Na busca por mais audiência, programas de TV cometem todo tipo de exagero e exibem as mais variadas bizarrices.

Produzir uma novela custa, em média, R$ 45 milhões de reais. Uma grande emissora chega a faturar mais de R$ 2 bilhões por novela (fonte). O mesmo acontece com as transmissões dos campeonatos de futebol. Centenas de milhões são gastos com o pagamento de direitos e estrutura para sua transmissão (fonte). Com tantas despesas e elevados lucros, será mesmo que você está assistindo esse conteúdo gratuitamente? Será que você não estaria pagando através de uma moeda de valor incalculável?

Quando buscamos nossa educação financeira, a primeira coisa que aprendemos é que não existe nada realmente grátis. Esses bilhões que as emissoras de televisão arrecadam todos os anos transmitindo notícias, novelas, futebol, reality shows e outros programas, são pagos por você através dos negócios que elas fazem com o seu tempo.

O tempo que você passa na frente da televisão é transformado em uma mercadoria.

Um exemplo prático disso, pode ser visto em um site curiosamente chamado de “Mapa da Mina” que pertence a Rede Globo. Como vivemos em um país onde a atividade economia que movimenta mais dinheiro é a agricultura (21% de todas as riquezas geradas no país), a Globo desenvolveu um serviço online que permite ao anunciante descobrir em quais localidades do país a população está temporariamente com mais dinheiro no bolso e aptas a consumir. Isso é feito com base no calendário das safras agrícolas (veja você mesmo). As empresas compram mais tempo nos intervalos comerciais que são transmitidos para pessoas em regiões onde a colheita de determinadas culturas já ocorreu. O retorno do valor investido por cada segundo de comercial tende a ser maior se a propaganda for exibida para pessoas que possuem mais poder de compra.

Através deste outro site (veja aqui), também da Globo, encontramos um verdadeiro “Supermercado de Tempo Humano”. Milhões de pessoas passam várias horas por dia na frente da TV. Os programas funcionam como uma isca que atraem e capturam o tempo de públicos de diferentes características (idade, sexo, classe social, etc).

Observe que o tempo que você joga fora vale ouro. Apenas 30 segundos de propaganda na maior emissora do país pode custar mais de R$ 700 mil (fonte). Uma campanha publicitária exige dezenas ou centenas de aparições de 30 segundos para fazer algum efeito. Seu tempo é vendido, segundo por segundo.

Todas as emissoras de televisão, jornais, revistas, rádios e outros meios de distração, possuem negócios baseados na venda do seu tempo e da sua atenção. As redes sociais como o Facebook, sites como Google e todos os seus serviços “gratuitos” como Gmail, Youtube etc, são apenas maneiras diferentes para capturar e negociar seu tempo com os anunciantes.

O Google certamente é a empresa mais audaciosa nos seus planos de fazer com que as pessoas entreguem cada vez mais do seu tempo para ela. O projeto de carros que dirigem sem motorista é um exemplo disso (veja aqui). O tempo que você passaria dirigindo, poderia ser usado para assistir vídeos no Youtube, que exibem publicidade dos anunciantes. Não faz muito tempo que o Google comprou uma empresa especializada em desenvolver robôs chamada Boston Dynamics. Para o futuro, teremos humanoides capazes de realizar tarefas domésticas. O tempo que você gasta limpando e organizando sua casa será usado fazendo buscas no Google, assistindo vídeos no Youtube ou fazendo uso dos aplicativos “gratuitos” do seu smartphone, que exibem publicidade da rede de anunciantes do Google. É possível que no futuro, as pessoas tenham menos trabalho e mais tempo livre para gastar com distrações. São essas distrações que irão capturar esse tempo para serem negociados como uma mercadoria.


As empresas já sabem que aquelas que conseguirem a sua atenção, também irão conseguir o seu tempo e o seu dinheiro.

Eu compreendo que as empresas estão apenas fazendo aquilo que elas nasceram para fazer que é ganhar dinheiro, ou melhor, fazer você entregar o seu dinheiro para elas em troca de algum produto ou serviço. Elas fazem isso com muita competência. Não é errado entregar seu tempo para essas empresas. A única coisa errada que você pode estar fazendo é não ter consciência das consequências daquilo que está fazendo.

Passar todo o seu tempo livre na frente da televisão não é errado, desde que você tenha consciência de quais conteúdos está assistindo e quais resultados você terá no futuro após anos de dedicação a essa prática.  Você deve ser capaz de avaliar a relação de custo-benefício das decisões que você toma diariamente sobre o que fazer com o seu bem mais precioso.

No caso do Youtube, você tem o poder de ignorar o conteúdo que não interessa e focar sua atenção no conteúdo realmente importante. É uma escolha sua passar várias horas assistindo vídeos engraçados ou assistindo palestras e apresentações de grandes autores e pensadores.

Para onde vai sua disposição (energia)?

Você já deve ter passado por essa experiência. Em um dia qualquer, você acordou disposto e animado. Logo pela manhã, chega uma daquelas notícias que abalam todo país. Normalmente são notícias de grandes tragédias ou situações que geram grandes comoções. Essa notícia trágica, costuma não ter qualquer relação com a sua vida, ocorre em lugares distantes e afeta pessoas que você não pode ajudar. Você não pode fazer nada para ajudar ou resolver o problema noticiado.

Estamos diante de uma notícia que irá abalar suas emoções, produzindo pensamentos durante todo o seu dia de trabalho, reduzindo sua disposição e afetando a sua produtividade.

O simples fato de acessar esse tipo de conteúdo, especialmente durante a manhã, já será suficiente para sugar uma parte da sua disposição. Você se sentirá triste, desanimado e sem energia. Mesmo assim, durante todo o dia, você buscará novas informações sobre a notícia que te deixou abalado.

As emissoras de televisão e sites de notícias fazem um enorme esforço para divulgar novos detalhes, muitas vezes inúteis, chocantes, exagerados e sensacionalistas. Querem que as pessoas passem o dia inteiro diante da televisão e smartphone acompanhando a cobertura de eventos que não fazem mais sentido.

Cérebro primitivo

Não é difícil perceber que o único objetivo de todos os meios de comunicação, diante dessas tragédias, é tirar o máximo possível do seu tempo. Eles saberem que o nosso cérebro tem uma tendência natural a prestar atenção em situações que produzem medo, raiva, revolta, tristeza e perigo. Lembra do “eu menor” do artigo sobre dieta?. É ele novamente.

Sempre queremos saber mais quando identificamos sinais de perigo. Essa tendência da nossa mente é vastamente explorada por aqueles programas de televisão que se especializam em notícias policiais.

Isso é mais um resquício do nosso cérebro primitivo. No passado, era uma questão de vida ou de morte conhecer o comportamento de cada membro da nossa tribo. Era fundamental saber quais eram as pessoas que poderíamos confiar. Qualquer história sobre comportamentos suspeitos, violentos ou inadequados era rapidamente compartilhada. Alguns cientistas dizem que a nossa linguagem se desenvolveu graças a nossa necessidade de falar dos outros (fonte).

Hoje, os meios de comunicação estão compartilhando todas as atrocidades que ocorrem em todas as partes do mundo. Isso acontece 24 horas por dia. Somos atingidos por notícias muito distantes, as vezes chocantes e que nos abalam sem qualquer necessidade.

Como a imprensa se especializou em selecionar e espalhar as notícias que geram maior audiência, temos a falsa impressão de que o mundo está cada dia mais perdido, estranho e violento. Nosso cérebro jamais foi exposto a tanta informação deste tipo, pois no passado, só tínhamos acesso aos acontecimentos da nossa comunidade e não de todo o planeta.

Se tudo isso não bastasse, seus amigos ainda vão compartilhar todo tipo de mazela humana nas redes sociais, tirando não só o seu tempo, mas tirando a sua disposição, seu bom humor e sua energia. Esse tempo e essa disposição vão fazer falta. É a matéria prima que você precisa para fazer aquilo que é importante para sua vida.

O vício por informações sem utilidade

O pior é que com o passar do tempo ficamos viciados em consumir conteúdo pobre de utilidade. Dedicamos cada vez mais horas do nosso dia consumindo essas informações, entregando nosso tempo para verdadeiros traficantes de tempo. A própria sociedade exigirá que você esteja bem informado sobre tudo, até sobre coisas sem importância.

Pessoalmente não assisto jogos de futebol, novelas, reality shows e não tenho a menor ideia do que está acontecendo na vida de artistas, cantores e outras celebridades. Isso acaba gerando alguns desconfortos na minha vida social. Pareço uma pessoa desinformada sobre temas que as pessoas comuns se interessam. Pareço um total alienado.

Quando comparo os resultados que essas pessoas comuns estão colhendo e os resultados que estou colhendo, tenho a certeza que estou no caminho certo.

Esse “desconforto social” ficou ainda mais acentuado, quando recentemente resolvi parar de assistir os telejornais. Eu percebi que 9 de cada 10 notícias não possuem qualquer utilidade no meu dia a dia. São raras as que realmente geram algum impacto na minha vida ou que estão dentro da minha capacidade de ação. Dedicando 15 ou 30 minutos por dia posso acessar os jornais na internet e consumir apenas aquele conteúdo importante. Percebo que muitas notícias servem apenas para entreter, embora as pessoas acreditem que estão se informando.

Vou dar um exemplo de notícia sem utilidade e que se torna uma atração ou um passatempo para as pessoas. Na semana em que esse texto foi escrito, toda a imprensa estava acompanhando a prisão do Eike Batista, um cidadão que já foi o homem mais rico do Brasil, mas que tinha uma pobreza interior (moral e ética) que tornou sua riqueza exterior insustentável.

Não consigo ver nenhum motivo para acompanhar o desenrolar dessa prisão nos seus mínimos detalhes. Qual a utilidade de ver fotos da marmita do Eike Batista ou fotos do lugar onde ele vai fazer suas necessidades fisiológicas no presídio? (veja aqui). Notícias sem utilidade como essa, se tornam as mais lidas em todos os jornais.

Essas são as notícias mais lidas na manhã do dia que iniciei a escrita deste artigo.

Não, eu não quero ver o vídeo de um bandido perseguindo uma criança de 9 anos. Não acho importante conhecer a rotina do Eike Batista na prisão. O desligamento do braço direito do Teori não vai fazer diferença na minha manhã de trabalho. Todos os dias alguém, em algum lugar do mundo, é atingido por raios e felizmente alguns conseguem escapar. Não vejo a necessidade de conhecer detalhes sobre mais essa ilegalidade que praticam através da Lei Rouanet.

Nenhuma dessas cinco notícias teriam qualquer utilidade na minha vida no decorrer dessa manhã, mas milhões de pessoas dedicaram uma parte do seu precioso tempo conhecendo detalhes de acontecimentos que não geram qualquer impacto em suas vidas. Muitas estão viciadas em informações sem utilidade e não percebem isso.

O mesmo fenômeno acontece nas redes sociais. Passamos muitas horas por dia acompanhando notícias e informações sem importância que nossos amigos e parentes compartilham ou produzem.

Fim do dia

Grande parte do conteúdo que consumimos durante o nosso dia foram apenas distrações. Até as notícias que lemos foram apenas distrações. No final do dia, todo aquele tempo que você precisava para dar mais atenção para sua família, para terminar de ler aquele livro, para aprender uma coisa nova, acabou sendo desperdiçado. Pensando bem, não foi totalmente desperdiçado, seu tempo certamente foi negociado com algum anunciante.

Todos nós temos planos para o futuro e sempre falta tempo e disposição para realizar as tarefas necessárias para atingir esses objetivos. Esse tempo e essa disposição existem. O problema é que durante o dia você está permitindo que os outros roubem esse tempo de você.

Talvez a única utilidade dessas distrações e do tempo que gastamos com ela é ter uma desculpa. Conseguimos uma desculpa para justificar nossa falta de tempo para o que é importante.

Ignorância seletiva

Para que você tenha mais tempo livre é fundamental que perceba a importância de praticar a ignorância seletiva.

Assuma que você não tem tempo para saber de tudo. Você não tem energia emocional, intelectual e nem disposição para acompanhar todas as coisas que estão acontecendo neste momento. Você não pode se preocupar com tudo e com todos. Você precisa selecionar e separar as coisas importantes das coisas sem qualquer importância. Você precisa criar o hábito de identificar as informações que geram impactos emocionais negativos no seu dia a dia, como o medo, raiva e o desânimo.

Você não pode permitir que a sua mente navegue livremente pela internet, televisão e redes sociais, pois seu tempo, seu equilíbrio emocional e a sua disposição são recursos caros e raros. Eles são a matéria prima para a sua qualidade de vida.

Nem tudo interessa, nem tudo é importante, nem tudo faz diferença e sentido na sua vida. Ignore seletivamente. Use seu bem mais precioso com inteligência e em seu benefício, em benefício da sua família e para beneficiar todos os que estão próximos de você, através das suas atividades profissionais e relações sociais.

Pare de fazer as coisas pelo fato das outras pessoas estarem fazendo ou por existirem estímulos dos meios de comunicação para que você faça.

  • Ignore notícias sem importância;
  • Ignore programas de televisão sem importância;
  • Ignore conteúdo sem utilidade compartilhado por seus amigos e parentes na internet;
  • Ignore acontecimentos sensacionalistas e fofocas;
  • Ignore eventos inúteis;
  • Ignore tudo que for distração quando você não quiser distrair-se;

Você não terá muito assunto para conversar com pessoas que passam o dia todo consumindo informações sem utilidade. Para resolver esse problema fale menos e escute mais. Direcione todo o tempo que você irá economizar diante deste processo de ignorância seletiva e comece a fazer as coisas realmente importantes.

Faça o teste

Escolha um dia qualquer da sua semana e faça essa experiência. Programe seu smartphone para despertar a cada 1 hora. Pare o que você está fazendo e anote em uma folha de papel aquilo que você realmente fez na última hora que passou. No final do dia, verifique quanto tempo você jogou fora e quanto tempo você realmente fez o que deveria fazer. As pessoas que passam pela experiência costumam levar um susto. Elas percebem que das 16 horas que ficam acordadas, entre 5 e 8 horas são literalmente desperdiçadas.

O que é ou não importante fazer com o seu tempo é uma decisão sua. Eu não sei o que é importante para você, mas tenho certeza que você perdeu muito tempo com coisas que não resultaram em nenhum impacto positivo no presente que você vive hoje. Talvez, se você tivesse praticado a ignorância seletiva anos atrás, você estivesse vivendo uma realidade bem melhor e diferente da atual.

Já que não podemos fazer nada pelo tempo pedido, podemos começar a fazer alguma coisa agora, respeitando o breve tempo que ainda temos pela frente. Respeito é uma palavra importante. Respeite o seu tempo e respeite a sua paz interior. Tenha mais consciência.

Sobre o autor: Leandro Ávila: educador financeiro e quero compartilhar com você um pouco do que aprendo todos os dias através das minhas leituras e estudos. Sou autor de livros sobre educação financeira e livros sobre investimentos em imóveis.
Disponível em Transcendência Financeira: https://goo.gl/Kh4b5H

826 total views, 2 views today

Share